Fui com a Sophie conhecer uma das montanhas mais famosas da China, Huangshan ou Yellow Mountain (Montanha Amarela). É também considerada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade.

Fomos com uma excursão de chineses e quem viu todos os detalhes foi a Sophie, claro. Ela resolveu tudo e depois me passou as informações: quanto eu tinha que pagar, o que iriamos fazer, quanta comida e bebida era bom levar na mochila (no topo da montanha é tudo mais caro e provavelmente estaríamos com fome).

No sábado, acordamos ás 5 da manhã e 6:30 (em ponto!) o ônibus da excursão saiu. Detalhe: das 40 pessoas do ônibus eu era a única estrangeira, a única que começava a ouvir música quando a guia começava a falar.
Depois de 3,5 horas de viagem, chegamos!
Fomos visitar um lugar lindo, com piscinas naturais, rios, pedras cenográficas. O que estraga essas paisagens são as pessoas e ainda mais se estiverem de excursão.




Ali assistimos uma apresentação dos nativos da região, os índios da China.


Depois do almoço fomos pra um lugar andar de bote. E eu deveria dizer que era rafting, mas a água não era nem um pouco agitada e não tinha pedras o suficiente. Tanto é que em várias partes o bote só saia do lugar se a gente remasse.

Enfim, foi bem legal, mas sem muita adrenalina. No começo descemos uma cachoeira (construída), e ficamos ensopadas! A Sophie morrendo de medo do bote afundar, insistiu em ficar tirando a água que tinha entrado por causa da descida.
Remadas e remadas depois, uma lancha foi buscar todo mundo, o que salvou meus braços cansados!



Ficamos em um hotel bom na cidade de Huangshan, porque tem uma lei na China que não permite que estrangeiros hospedem em hotéis com menos de 3 estrelas. Pagamos um pouco a mais, mas descansamos bem durante (o pedacinho da) noite.
No domingo tivemos que acordar 4 horas da manhã e as 5 horas (quase em ponto) saímos em direção à famosa montanha.

Pegamos um bondinho para subir mais de 1.000 metros e fiquei maravilhada com o lugar. A vista é lindíssima, e todas as fotos que eu tirei não conseguiram representar o que eu estava vendo: montanhas de vários tamanhos, nuvens, árvores, tudo lá no alto, tudo misturado! Eu estava indo pro céu de bondinho!

Umas 7 da manhã começamos a caminhada pra conhecer a montanha. Fomos no pico mais alto (Lotus Peak ou Lian Hua Feng: 1.864 m), subimos e descemos várias escadas e de vez em quando paravamos pra descansar e tomar água.
Meio-dia também paramos pra descansar e comer. Tiramos o pacote de pão de forma, a salsicha e as bolachas da mochila e almoçamos! Não foi meu melhor almoço, mas tava gostosinho.




Curiosidade 1: dizem que antes de ter algumas ‘cercas’ de proteção, uma pessoa (ou mais?) já caiu lá de cima ao se arriscar mais do que deveria para olhar a vista na montanha.

Curiosidade 2: de algum pico da montanha é possível ver as nuvens por cima. Mas quando eu fui o tempo não estava tão bom…

Curiosidade 3: Como será que as bebidas, comidas e etc. chegam lá no topo? De bondinho? Não! Homens carregam! Além de subir aquela infinidade de escadas, eles chegam a carregar até 90kgs! Aham! Tirei foto!


Curiosidade 4: E se você estivesse muito cansado durante a longa caminhada na montanha e não conseguisse mais andar? Tudo tem solução. Por 100yuan/km, dois homens vão te carregar em uma cadeira.

Depois de caminhar por quase 5 horas por ali, a guia falou pra decidirmos, ou descer a montanha de bondinho (e em 15 minutos estariamos lá em baixo) ou descer a pé (e em 2 horas estaríamos lá em baixo). Perguntei o que as pessoas que fossem de bondinho iam fazer até as outras chegarem, e a resposta foi: esperar.

Como não vejo graça em esperar, decidimos descer a pé. E essa não foi uma decisão muito sábia.

Estava muito divertido descer as escadas no meio daquela paisagem linda, vendo pessoas tentando subir a pé, parando de vez em quando pra tomar água, acelerando o passo pra chegar lá embaixo mais rápido… sim, foi divertido na primeira hora.
Mas depois dessa 1 hora descendo escadas, o joelho direito começou a doer.
“Ah, tudo bem, isso é normal. Já estamos quase chegando mesmo…”
Aí o esquerdo também começou a doer.
“Ok, vou dar uma descansada. Sentar, alongar… deve estar faltando só uma meia-hora pra chegar lá embaixo.”
Mas a situação só piorava, e o pior era pensar que mesmo se eu tivesse morrendo de dor ali, eu tinha que continuar descendo. Não tinha outra saída.
Os últimos 10 minutos foi de sofrimento mesmo, meus 2 joelhos estavam doendo muito. Descer ou subir qualquer escada era uma luta!

Quando chegamos, finalmente pude sentar, alongar, comer um chocolate e descansar melhor. Mas mesmo assim, a dor continuou (por vários dias).

Depois ainda fomos experimentar chá e ver algumas facas (passeios pra-turista-gastar). Mas achei legal, comprei chá pra dar de presente e no outro lugar ganhei uma faca pequena “pra frutas”.

Voltamos pra Hefei, e achei que as 3,5 horas da viagem de volta demoraram 7horas. E levantar do ônibus, sentar no taxi, levantar do taxi e subir as escadas até meu apartamento foram os movimentos mais doídos que já fiz. Meu joelho estava doendo muito. Eu achei que ia parar de andar.