“O tempo perguntou ao tempo quanto tempo o tempo tem. O tempo respondeu ao tempo que o tempo tem tanto tempo quanto tempo o tempo tem.”

Tem quatro meses que cheguei em Hefei, e pensando em tudo o que já se passou por aqui parece que foi um ano, mas tudo passou tão rápido que parece que estou aqui faz um mês.
Por isso descobri que o dia não tem 24 horas e os meses não tem 30 ou 31 dias. Depende de onde você está, depende do que você está fazendo.

Depois desse tempo todo aqui:

Só tomo café da manhã se eu quero e como aquilo que eu quero.
Tem dias que prefiro aquele picolé com feijão.
Deixo de tomar suco ou refrigerante pra tomar chá gelado.
Prefiro andar a pé.
Acho normal letreiros escritos com caracteres, acho normal não entender o nome dos lugares.
Acho normal a sujeira das ruas e os restaurantes não muito limpos.
Prefiro os pauzinhos pra comer algumas coisas.
Tem horas que quero é tomar um pouco de água quente.
Falar português já não faz tanta falta.
Nos dias de sol penso em sair com uma sombrinha pra não tomar muito sol (só de pensar em fazer isso já é uma grande mudança).
Fiz mais ‘amigos’ nesse tempo aqui do que fiz no último ano no Brasil, e sei que provavelmente não vou vê-los nunca mais.

Sei que mudei mais do que isso, mais do que pude perceber. E quando penso que só tenho mais dois ou três meses aqui, já começo a sentir falta dessas coisas que não vou ter no Brasil.
Quero ir pro Brasil, quero ficar na China.

Quanto tempo ainda tenho pra aproveitar aqui? Vai depender do que fizer nesses últimos meses!
Então se eu não postar com muita frequência é porque vou estar viajando e aproveitando o restinho de tempo que tenho, ok?

Obs: Na competição Brasil x China, o Brasil ganha, porque lembro do strogonoff, dos churrascos nos domingos, da família reunida, dos amigos na balada, da comida da Ritinha, …