Essa brincadeira não está tão divertida quanto antes… Algumas vezes penso que é impossível aprender (bem!) mandarim!
Porque é uma forma completamente diferente de pensar e isso faz com que eu demore vários minutos pra formar uma simples frase: “A caneta do meu irmão mais velho é muito grande.”

“Wo gege de bi hen dà” é a forma correta de pronunciar a frase ali de cima, e se eu fosse traduzir literalmente seria: Eu irmão mais velho dele caneta muito grande.

Ahhh é muito diferente! Não se usa pronome, não se conjuga verbo, as palavras não vão para o plural, não se usa verbo antes de adjetivo! Por isso é melhor entender o significado da frase como um todo e não traduzir palavra por palavra (estou tentando!!).

Outra peculiaridade do mandarim é que cada pessoa da família tem uma denominação específica:
irmão mais velho = gege;
irmão mais novo = dìdi;
irmã mais velha = jiejie;
irmã mais nova = mèimei
… e assim vai com nomes específicos para a “tia por parte de mãe”, “tia por parte de pai”, “avô por parte de mãe”, “avó por parte de pai”… (claro que pulamos essa parte na aula! É bem provável que não vou usar todos esses nomes!)

E ainda tem os ideogramas!

Ni hao = Olá
Pra escrever também tem regra e ordem (da esquerda pra direita, de cima pra baixo, de dentro pra fora)!
E quanto mais simétrico forem os traços, mais bonita é a ‘caligrafia’ da pessoa!

Meu professor disse que uma pessoa alfabetizada conhece por volta de 2.000 ideogramas. Até agora eu conheço 16.

É, nessa língua ainda sou analfabeta!

Zài Jiàn!